Não faz, mas, fomenta.


Dentre os temas que soaram alto nas pautas discursivas da Câmara Municipal de Imperatriz, três merecem destaque.  Apresentado e encaminhado às comissões de competências: Projeto de Lei ordinária, Nº 01 de 24/03/2015, de autoria do poder executivo, “Dispõe sobre o reajuste de salário, e vale-alimentação dos servidores efetivos do município”, isto por se tratar de investimento na pessoa humana, se no valor justo e/ou o que pode ser concedido, é e pode ser discutido pelos efetivados e comissionados, o projeto só seguiu seu curso, na sessão seguinte, em virtude do anúncio da retomada das tão sonhadas obras da estrada do arroz, que fora feito pelo secretário de infraestrutura do Estado, Clayton Noleto, que estivera no local acompanhado de alguns vereadores, prefeito e vice. Na ordem do dia, em única discussão e votação, o  PL. Nº 12/2015, de autoria da mesa diretora, dispondo sobre a reestruturação administrativa do parlamento municipal e dá outras providências, o que é normal já que a casa atua sob novo comando, o presidente José Carlos Soares Barros –PTB. Mas, os holofotes foram mesmo, e mais uma vez,para a audiência pública, realizada nesta quinta, dia 09, que debateu a questão do transporte coletivo, passe livre, acessibilidade, a esta, até exigência se fez, para que chegue a 100%, só que para isso, não só a empresa que explora o serviço, mas, a prefeitura, e/ou a quem fora incumbido garantir os abrigos, (paradas) que ofereçam conforto e segurança aos usuários. Casa cheia, tons elevados, e o apelo aos resultados, que, aliás, é sempre questionado, mas, é válido o registro e a compreensão de que à Câmara, compete abertura, para o debate, a homologação do que for acordado, mas, a execução é de outra e/ou outras competência. “Essa cassa, será sempre o espaço democrático para a sociedade apresentar e discutir questões que lhes interessem” (José Carlos, presidente)  

Postar um comentário

0 Comentários