Te Ensino, mas, não me cuidas.


                                           

O modo como se cuida das nossas fontes de vida tem tanta importância quando o próprio viver. Olhando de modo mais atento, contemplativo até, dá para perceber que se a gente enxerga, talvez não veja e, se vemos, fazemos “vista grossa” não aceitando o que nossas lentes registram. No tocante ao nosso habitat, como usamos a água e os alimentos? A cada copo adquirido, desperdiçamos meio, seja na higiene pessoal, de nossa casa, escritório etc. gastamos mais do que realmente usaríamos em estado de atenção. Os resultados? Atente bem para onde estas e verás, verás que desperdiçou por que pensou não ter fim, mas, este se avizinha. Como estudante que trato você dá a seus livros? Você que é pai e/ou mãe, como orienta filhos (as) no manuseio daquele livro, que lhe fora presenteado? Seria da mesma forma quanto aos advindos da escola (pública) e, que tão logo passe de série, precisa e/ou deveria ser devolvido? Bem, minha mãe, mulher do campo, analfabeta nas letras, mas, hábil na leitura de vida, tinha um apreço sem precedente pelos livros que lhes eram emprestados pela escola, para que nós estudássemos e, antes de qualquer coisa, ela providenciava com sua criatividade e uma tesoura, uns plásticos cortava nos moldes que se encaixavam na forma do livro e os encapava. A lição primeira, depois, um a um ela explicava “...a cada dia segundo as disciplinas (as matérias) leve-os e cuidem bem para que não cheguem em casa sem capas, riscados ou mesmo rasgados, pois depois que vocês passarem de ano, os devolverei para outras crianças os leiam, e para isso precisam estar bons”, tão logo concluímos o ano lá ia a dona Isabel, depois de verificar livro a livro, à escola receber os boletins, mas, não sem antes entregar os livros ainda encapados. Podíamos ver seu semblante de satisfação ao ouvir da diretora: “...nossa os livros estão bem cuidados, que nem parecem ter sido usados, parabéns!..”  Quão bom se cuidássemos mais dos nossos mestres silenciosos e cuja sabedoria nos proporciona sem imposição, arrogância e, no nosso tempo.  

Postar um comentário

0 Comentários